perspectivas

Ter um filho muda-nos a perspectiva com que olhamos para as coisas. Nem que não seja por uns tempos. Há dias em que não sei bem quem sou. Não sei bem para onde vou. Não sei bem o que pensar ou dizer. Isto de ter um mini eu a passear pela casa mas querer que seja mais forte, mais seguro, mais feliz que eu dá cabo de mim. Não mudava por nada. Bem, hão momentos em que mudava por uma espreguiçadeira na praia, mas só para voltar logo de seguida!

Época balnear

Por aqui já começou. E pensar que tenho um filho que gosta tanto disto dos mares e afins como eu, ainda que tão pequeno, faz-me querer que as "férias de verão" cheguem já já.

Recuperar o corpo/ recovering my body

Desde que me lembro de ser gente que me lembro do desporto fazer parte de quem sou. Fiquei grávida, e sorte a minha, pude ter uma gravidez activa até ao final. Exercícios adaptados a cada fase, a cada momento em que a barriga ia crescendo e deixando de permitir realizar tudo tal qual estava habitada, quer em termos de movimento quer em temos de cargas. O meu bebe nasceu ao fim de 40 semanas maravilhosas e o regresso à actividade física demorou mais do que o planeado. O cansado, o filho sempre por perto, a preguiça, a falta de vontade.. até que a vontade voltou, um bocadinho forçada! Voltou mas o corpo não era o mesmo. Não tinha a mobilidade de outros tempos, a força, o à vontade em mexer-me e a segurança em mim e no meu corpo. Sempre fui defensora de boas recuperações, pensadas e estruturadas e neste caso específico a recuperação da zona abdominal parecia-me ser a base para que o corpo recuperasse devidamente e a longo prazo fosse mais funcional, minimizando o surgimento de lesões que às vezes podem durar uma vida. Um mês depois de me ter inscrito num ginásio perto de casa contactei a Carla. Acompanhava o seu trabalho online e o que partilhava fazia-me sentido. Trabalhava online, o que à partida não parece ser o ideal pois perde-se toda a parte de contacto directo, e podia-me ajudar a recuperar. Tinham sido 9 meses muito bem acompanhada a criar e transportar um ser e agora sentia que precisava de ajuda para voltar a sentir o corpo meu. Um discurso claro, objectivo e compreensivo acompanhado de um plano estruturado foi o que encontrei. O acompanhamento não é instantâneo mas arranjámos solução é sinto que tem funcionado bem. Não fico morta de cansaço a cada treino como antigamente, não tenho pressa em regressar a cargas de antigamente, não faço questão de voltar a competir como antigamente, mas cada treino que consigo realizar sinto mais confiança em mim, o corpo um bocadinho mais meu, sinto a consciência corporal a aumentar e isso permite-me realizar tarefas do dia a dia com mais cuidado mas com mais facilidade, transportar melhor o meu filho, compras do supermercado, realizar longas caminhadas quando o tempo e o trabalho deixam, minimizar dores de costas e imaginar que lá ao fundo da barriga há um músculo que começa a querer surgir, mesmo que ainda camuflado! O trabalho é diário, depende de mim sobretudo (gestão de horários, disponibilidade mental...)  mas saber que sou bem orientada é uma motivação e segurança extra. Nem todas as semanas consigo ser tão activa como desejava, mas uma recuperação pós parto é provavelmente assim mesmo, um trabalho diário, físico e mental, contínuo, com altos e baixos e que sem um fim imediato à vista deve ter início de uma forma segura, estruturada e compreensiva, adaptada a cada mulher. Obrigada Carla por todo o apoio, quer na parte física como pela paciência, num dia ou outro, por desabafar mais do que treino!


Since I can remember sport has been a part of whom I am. As I was pregnant, lucky me, I was able to be active until the end. Exercises were adapted to each phase as the belly was growing and not allowing me to perform everything as I was used to, both in terms of movement and in terms of loads. My baby was born after 40 wonderful weeks and the return to physical activity took longer than planned. Being tired, having a baby always around, the laziness, the lack of will .. until the will returned, I admit a little bit forced! It came back but the body was not the same. I didn't have the mobility of other times, the strength, the will to move and the security in me and my body.
I have always been a defender of good recoveries, thought and structured and in this specific case the recovery of the abdominal area seemed to be the basis for the body to recover properly and in the long run be more functional, minimizing the appearance of injuries that can sometimes last a life. A month after I enrolled in a gym nearby my house I contacted Carla. I followed her work online and what I saw made sense to me. She worked online - which at first doesn't seem to be ideal because I would loose all direct contact - and she could help me recover. I had been very well accompanied 9 months to create and transport a humam being and now I felt I needed help to return to feel the body mine once again. A clear, objective and comprehensive speech accompanied by a structured plan was what I found.
The follow-up is not instantaneous but we have managed to solution it and I feel it has worked well. I do not get tired during training as I used to, I'm not in a hurry to return to loads of other times, I do not insist on competing as I used to, but every training that I can accomplish helps me feel more confident in me, my body a little bit more mine, I feel body awareness increasing and this allows me to perform day-to-day tasks more carefully but more easily, to transport my son better, to shop at the supermarket, to take long walks when time and work allow us, to minimize back pain and imagine that somewhere in my belly there is a muscle that begins to want to arise, even if still camouflaged! The work is daily, it depends on me mainly (time management, mental availability ...) but knowing that I am well oriented is an extra motivation and security. Not every week is a week that I can be as active as I wished, but a postpartum recovery is probably just that: a daily and continuous work - physically and mentally - with ups and downs and without an end in sight it should begin safely, structured and comprehensive, tailored to each woman. Thank you Carla for all the support, either in the physical part or for your patience, and one day or another for grizzling more than training!

Mais informações: https://www.facebook.com/BIRTHFITTWENTE/posts/1884828611781630

Voltei?

Tenho pensando neste canto e em como o abandonei... muito aconteceu. Tenho saudades deste canto. Pensei em criar um novo. Vou ponderar.. tenho 24horas para voltar a atacar o teclado ;)

Not all who wonder are lost

Não há chuva que nunca pare, não há só sol que nunca venha. Como seria bom ter uma caixa com pequenos papéis, que tirados nos seu devido tempo, nos dariam as respostas para as questões que a vida nos vai colocando. Que eu me vou colocando. Que me guiasse por entre os caminhos que se apresentam. Como seria bom quando tudo indica que é a escolha errada, saber que é por aí, que não vai ser fácil mas vai resultar, que embora ninguém acredite o resultado será o esperado e desejado. Será a intuição? Se pelo menos não viesse acompanhada da dúvida...