Domingo

 
A manhã começou turva. Mal se via um palmo à frente do nariz tal era o nevoeiro. Nada que uns minutos não resolvessem. Isso e fé e remar em direcção à arrábida e ser confiante que se ia começar a ver qualquer coisa num futuro muito próximo. E lá fomos, rio abaixo, rio acima, rio abaixo de novo. Chegámos à foz do Sousa e ainda se via a película de fumo a pairar na água. 27k? É bem provável. Sei que foram 2h20 contínuas, se parámos no total 10min distribuídos lá pelo meio foi muito. Sinto o corpo todo. Sinto tudo, acho que quase literalmente. Sinto que acordar à 7h não foi em vão. Sinto uma vontade enorme de passar o resto da tarde no sofá (não vai acontecer). Sinto também um pequeno remorso por ter deixado o meu irmão ir sair à noite sozinho (quase, "dei-lhe" uns amigos e amigas).. mas o rapaz é grande, não se perde, e eu precisava mesmo ter dormido o que dormi. Uma pessoa vai aguentando, mas quer dizer.. é melhor não abusar!

3 comentários:

pedro b disse...

sousa? grande rio! :p

Manuel Jorge Marques disse...

Eheh, remar com nevoeiro cerrado não é para qualquer um, é preciso conhecer o rio! :)

Isso, mete inveja a quem só tem um riozinho minúsculo e a 10km da cidade para treinar!... :P

Carol disse...

pedro, parece que sim! Um rio que há lá para os lados de Gondomar :p curiosidade: tem uma ponte semelhante à da Arrábida em ponto pequeno.

Manel, não é para qualquer um mas é um misto entre medo e tranquilidade que não sei explicar! Mas é bom :)